AINDUSTRIA ARROZEIRA NA EUROPA 

 

 

Por um lado,é conhecida a dualidade estratégica da Indústria Arrozeira Europeia, com os países produtores do Sul e os países não produtores/consumidores a Norte, bem como o modo específico do funcionamento das Instituições da União, e a peculiaridade do processo de formulação de posições e de tomada de decisões, no âmbito da PAC (Política Agrícola Comum).

Neste plano,destaca-se a necessidade vital da A.N.I.A. poder fazer valer os pontos de vista e os interesses da Indústria do Arroz Portuguesa nas instâncias privadas e públicas, onde se esboça e concretiza o enquadramento concorrencial do sector, e de podertransmitir aos seus associados as informações e as orientações pertinentes.

Para o efeito, é necessário em tempo oportuno, poder recolher,analisar e sistematizar um vasto conjunto de informações e factos que emanam das instâncias comunitárias, públicas e privadas, e simultaneamente poder entender os anseios e necessidades da Indústria de modo a representá-la devidamente junto dessas instâncias.

Por outro lado,a fase de mudança e de ajustamento estrutural que pauta o estado actual da Indústria do Arroz Portuguesa, cujo fulcro radica na concretização da 3 fase da União Económica e Monetária (UEM) em 1999 e dos acordos GATT, exibe como face mais visível a completa liberalização dos mercados nacionais e a sua exposiçãoà concorrência intra e extra-comunitária.

Nos últimos anos, tem-se assistido à intensificação deste processo, devido não só à profunda restruturação em curso no aparelho de distribuição alimentar, mas também, e sobretudo, pela implementação dos acordos do Uruguai Round (GATT).

Estes factos impõem profundas alterações na postura das estruturas associativas e no comportamento empresarial da generalidade dos operadores económicos do sector, sendo pois com o intuito de poder ajudar as empresas associadas a ultrapassar este momento algo conturbado, que a A.N.I.A. se propõe a indicar possíveis soluções para o futuro.

Finalmente, como objectivo de impulsionar a dinâmica da A.N.I.A., urge projectar a sua imagem por forma a que os seus associados possam reconhecer cada vez mais o apoio da Associação como fundamental na procura de soluções para o sector em que se inserem.

Mais informações:
Campanha 2000/2001

BalançoComunitário 1999/2000

Campanha98/99
BalançoComunitário 98/99